março 14, 2008

O Homem Invisível

É meus caros, fiquei sabendo hoje pela manhã que a Assembléia Legislativa aprovou um projeto, que criaria mais três dias de carnaval em julho. O Prefeito César Maia, numa síncope de bom senso é contrário a idéia, é claro, alguém tem que pagar essa conta e ele não quer o dele na reta. Os nossos governantes só pensam em divertir o povo e atrair turistas, se o dinheiro ganho nesses eventos tivessem uma aplicação honesta tudo bem, mas todos nós sabemos para onde ele vai.

Chega de politicagem, eu sei o que a maioria dos nossos dois leitores vem procurar aqui na sexta-feira, a nossa querida e amada coluna "Cinema Obscuro" trazendo só filmes do balacobaco e resenhas porcamente detalhadas, vamos a ela.



Falaremos um pouco sobre "O Homem Invisível" The Invisible Man [1933] dirigido por James Whale e adaptado da novela de H.G. Wells; Creio que a história a maioria já conheça, pois a mesma já foi adaptada diversas vezes no cinema e na televisão. O cientista Jack Griffin (Claude Rains) descobre por acaso uma fórmula de invisibilidade ao testa-la nele mesmo, descobre que ser invisível não é tão bom como ele pensava.

Trata-se de um exercício sobre o poder, sim, ser invísivel afinal é se ver livre de moral e de culpa, o que você faria se não pudesse ser visto? Como seria não poder fitar seu rosto no espelho e se questionar por atos vis? São estas as perguntas que perseguem o personagem durante o filme, Griffin leva sua loucura aos extremos "Um homem-invisível pode matar, estuprar e roubar e nunca será pego" ele afirma. Até mesmo seus amigos não estão livres de sua violência e dissimulação.

O diretor James Whale, que três anos atrás havia feito o clássico "Frankenstein",(1931) acertou a mão ao dispensar a presença de Boris Karloff para o papel principal e chamar o novato Claude Rains, pois ele achava que o personagem precisava de alguém com uma voz hipnótica pois não mostraria seu rosto durante todo o filme. Rains, que apesar de um passado humilde tinha um ar altamente sofisticado, tinha ali uma chance para mostrar seu trabalho e o fez com maestria.

Com efeitos especiais de John P. Fulton e maquiagem do mago Jack P. Pierce, que para época eram revolucionários, "O Homem invisível" marcou época e criou mais um, dos grandes personagens icônicos da Universal, abrindo caminho para várias outras continuações como “A Volta do Homem Invisível” (The Invisible Man Returns, 1940), de Joe May e roteiro de Curt Siodmak, (o mesmo que criou o roteiro de "O Lobisomen" com Lon Chaney Jr.) estrelando o ícone Vincent Price; “The Invisible Woman” (1940), também escrito por Siodmak, com o cientista interpretado por John Barrymore transformando a atriz Virginia Bruce em invisível através de uma máquina; “Invisible Agent” (1940) , com Peter Lorre; “The Invisible Man’s Revenge” (1944), escrito por Bertram Milhauser, e finalmente a comédia “Abbott and Costello Meet the Invisible Man” (1951)

O livro de H.G. Wells foi adaptado "quase" fielmente por R. C. Sheriff e Philip Wylie, que depois de várias tentativas de afastar o roteiro da idéia do livro, resolveram sabiamente fazer o mais certo. O diretor inseriu algumas cenas de humor negro que eram sua marca registrada na época e deu mais charme ao personagem deixando-o com uma personalidade mais interessante e sarcástica.

No elenco ainda temos a bela Gloria Stuart, que mais tarde (beem mais tarde, diga-se de passagem.) faria o mega-blockbuster "Titanic".


Novamente creditando algumas informações adicionais que busquei no site Boca do Inferno visitem eu recomendo.

Por hoje é só.

2 comentários:

Kalar disse...

This comment has been removed because it linked to malicious content. Learn more.

J.P. Rodrigues disse...

Cara de onde tu tira essas coisas? rs...
Abração!

BuscaPé, líder em comparação de preços na América Latina
BuscaPé, líder em comparação de preços na América Latina